A “febre” dos Indie Games | Portal Mosaico

A “febre” dos Indie Games

febre indie games

 Já parou para pensar, por que Jogos Independentes (Indie Games) fazem tanto sucesso atualmente?

Após o lançamento de jogos como Minecraft e Slender, o numero de jogos independentes produzidos aumentou de forma devastadora, fazendo com que mais jogos fossem lançados e mais baixados a cada dia. A quantidade de downloads que jogos como esses citados foram imensas, e atraiu todo tipo de público, desde os mais Casuais até aos mais Hardcores, crianças e adultos.

Mas qual é o segredo? Bom, há vários motivos.

O primeiro motivo é o fato de que Indie Games geralmente são leves e não requerem muito do sistema. A maioria dos PCs rodam Indie Games sem problemas, fazendo com que mais pessoas tenham oportunidade para joga-los.

Outro motivo é a proposta inovadora que esses jogos geralmente apresentam. Minecraft é o melhor exemplo de proposta inovadora, onde o jogador teria que sobreviver conseguido suprimentos em um mundo quase infinito cheio de criaturas hostis. E, além disso, o jogo era (e ainda é) rodado totalmente em Java. Slender também apresentava uma proposta inovadora, onde o jogador teria que encontrar uma quantidade de papéis, enquanto o personagem da lenda urbana Slender Man te perseguia. O jogo pesava alguns megabytes e não tinha história, sendo apenas para assustar os jogadores.

Um fato que também contribuiu para a “febre” dos Indie Games, é a facilidade para desenvolvê-los nos dias atuais. Nos últimos anos foram criadas ferramentas que facilitaram o desenvolvimento destes jogos, assim mais pessoas ou pequenas desenvolvedoras passaram a produzi-los com mais frequência.

Entretanto, muitos desses Indie Games desenvolvidos simplesmente copiaram as propostas dos anteriores. Existem diversos jogos independentes com temática de terror onde o jogador deve coletar itens enquanto uma “criatura” o persegue, plagiando Slender. Diversos jogos também apresentaram temática de sobrevivência e sistema de blocos, plagiando Minecraft.

Recentemente nota-se um aumento muito grande na qualidade desses jogos independentes, tanto gráfica como imersiva. Este aumento de qualidade é notado em jogos como Outlast, jogo de terror que possui gráficos bem trabalhados, movimentação em primeira pessoa realística e história envolvente. Outro Indie Game recente que merece destaque é The Stanley Parable, onde o jogador irá interagir com o narrador da história, que tentará manipular o jogador. The Stanley Parable também contém visuais bem trabalhados.

Conclusão: A vida dos Indie Games está longe do fim, ainda há muitos jogos de peso e com propostas inovadoras que estão por vir. Também haverá diversos jogos que plagiarão os outros. Eles sempre mudarão de “estilo”, porém nunca perderão sua essência de jogos criados por desenvolvedoras pequenas e com poucos recursos. Nunca perderão sua essência de Jogos Independentes.

Imagem: Divulgação/Internet

Texto: Pablo Camargo


Top